VOLTAR

 
Vista aérea da cidade.

São Pedro do Sul é uma cidade da região central do Rio Grande do Sul, rica em fósseis animais e vegetais do período triássico. Possui a maior reserva de fósseis vegetais do mundo. É um fenômeno único, que ocorreu entre 206 a 248 milhões de anos atrás, durante a era Mesozóica por uma combinação de vários fatores naturais.

Igreja Matriz

 

Dados Geográficos: (IBGE)

- População: 16.817 (2013)
- Área: 874 Km2
- Coordenadas: 29º 37' 04'' Latitude Sul e 54º 10' 44'' Longitude Oeste
- Altitude: 176 m
- Distâncias: 38 Km de Santa Maria-RS - 358 Km de Porto Alegre-RS
- Acesso: BR 287

 

  " ONDE O PASSADO TEM RAIZES DE PEDRA "

 

Fóssil de um tronco petrificado - Sítio da Piscina - BR 287

Tronco petrificado - corte vertical - estrada férrea próximo a BR 287

Fósseis no Largo Ivo Cordoni

Os fósseis vegetais, provém da petrificação de árvores de uma floresta de coníferas existente naquela época, através de um processo que aconteceu em uma das eras glaciais que cobriu de gelo toda a floresta e através da umidade a sílica foi absorvida pelas mesmas, tornando-as resistentes como pedras.

Estas pedras são encontradas afloradas sobre o solo, nos pátios das residências, nas ruas não pavimentadas e nos campos. Variam de tamanho e forma conforme o local, de um pequeno pedaço nas ruas, até troncos enormes nos campos.

Existe na cidade um Museu Paleontológico que abriga grande quantidade de fósseis vegetais e animais, peças indígenas, e curiosidades antigas.

Na década de 20, foi encontrado no interior do município, um esqueleto de dinossauro da espécie Stahleckeria Potens, que se encontra atualmente no Museu da Universidade de Tübingen, na Alemanha. A quatro anos existe um convênio do município com a Universidade Federal do Rio grande do Sul (UFRGS) e a Universidade do Vale dos Sinos (Unisinos), onde os pequisadores fazem um levantamento genealógico e escavações para a descoberta de mais fósseis.

 

São Pedro do Sul: laboratório a céu aberto (texto do Prof. Éder Leandro Bayer Maier - Universidade de Santa Cruz - Publicado no Jornal Cidadão, edição de 01 Nov 13).

No município de São Pedro do Sul - RS há uma grande riqueza de fosseis, feições geomorfológicas (formas superficiais da terra), inscrições rupestres etc. Estas riquezas documentam parte das
mudanças ambientais do planeta terra, tornando essa área muito interessante para a realização de aulas de campo ou explorações científicas. Independente das crenças individuais, é impossível negar a existência
de animais e árvores fossilizados, combustíveis fósseis e as mudanças ambientais.Tambémnão podemos esquecer da inquietaçãohumana em procurar respostas às perguntas: Quais foram os processos de
formação dos fosseis? Como ocorreram as mudanças ambientais que preservaram os fosseis ou feições geomorfológicas?
No mundo, o processo de fossilização é uma exceção, predominando o apodrecimento dos animais e plantas mortas.Entretanto, no passado geológico, na região central do Rio
Grande do Sul, a fossilização foi uma regra, preservando grande parte da floresta ali existente e algumas carcaças de animais hoje extintos.
É comum, nos municípios de São Pedro do Sul e Mata, encontrar madeira petrificada, mas para os estudantes ou turistas que visitam tais municípios, é muito importante a existência dos sítios paleontológicos,
porque são de fácil acesso, de domínio público e possibilitam visualizar os fósseis dentro da rocha sedimentar (pedra de areia). Neste sentido, São Pedro do Sul possuí dois sítios, um às margens da RS 287, a
cerca de 1 quilometro do trevo de acesso e outro no corte da ferrovia, nas proximidades da ponte da RS 287.
Nestes sítios, é possível visualizar os troncos petrificados dentro da rocha sedimentar, na horizontal, no sentido leste – oeste, indicando que algum fenômeno intenso derrubou as árvores e as cobriu com
areia e água. A permanência dos troncos submersos permitiu que a sílica (mineral abundante na areia) penetrasse na estrutura molecular das árvores mortas, e assim, petrificando a matéria orgânica,
preservando toda estrutura da árvore como, galhos, nós e anéis de crescimento.
Grande parte dos fosseis que encontram-se na região central do Rio Grande do Sul estão em uma estreita faixa entre a serra e a
campanha.Nesta faixa, pode ser observado rochas sedimentares formadas pela compactação e cimentação da areia, a qual, é bem fina e selecionada, porque foi depositada pela ação das águas no interior
do continente.Neste ambiente rico em água, foi que se desenvolveu as grandes árvores e arica fauna (animais). Cenário bem diferente do deserto que formou o arenito Botucatu, pois, em um clima árido o
transporte da areia é realizado pela ação dos ventos, formando dunas eólicas com areia grosseira e pouco selecionada. Essas rochas do Botucatu (pedra de areia) são encontradas nas proximidade do
Município de Toropí, onde as rochas sedimentares são formadas por grãos de areia grandes, quando comparados aos que formam as rochas que cobrem os fosseis.
Posteriormente àdeposição da areia, ocorreram derrames vulcânicos que formaram a serra geral. A continua erupção vulcânica gerou os basaltos que cobrem em centenas de metros as rochas
sedimentares, por isso, quando saímos da campanha em direção aos campos em cima da serra passamos por subidas sinuosasna borda da serra. Neste trajeto, podemos visualizar inúmeros morros
testemunhos, os quais são pontos elevados na beira da escarpa (degrau entre a campanha e a serra). Eles indicam que a referida área (borda da escarpa) estavam cobertas por rochas, mas o processo de erosão
foi desgastando todo o terreno, seja ele basáltico ou de pedra de areia.
Na Pedra Grande, no interior do municípios de São Pedro do Sul, há uma bela imagem deste cenário, a campanha gaúcha na porção sul, a serra geral no norte, os morros testemunhos espalhados no
horizonte. Além disso, nesta pedra há inscrições rupestres, que foram gravadas a cerca 3 mil anos atrás. Neste contexto, esses registros efetuados pelos índios documentam a colonização da região central
do Rio Grande do Sul muito antes da vinda dos europeus, bem como, a dizimação dos índios, porque hoje eles são a minoria entre a população.
Esses registros (fósseis e arqueológicos) são muito importantes para a pesquisa e ensino, porque possibilitam montar o "quebra cabeça" da história da terra e compreender como ocorrem as mudanças
ambientais ao longo do tempo. Lembre-se, conhecimento científico sobre a natureza aliado com trabalho, subsidiou boa parte do desenvolvimento atual, mas ainda há uma grande fronteira a ser
explorada, que é reduzir os impactos ambientais das atividades humanas.
Além disso, o turismo aos sítios paleontológicos e arqueológicos poderia ser mais explorado, tornando-se uma fonte de renda. Visto que há inúmeros professores que organizam aulas de campo e que
não incluem o município de São Pedro do Sul no roteiro, porque não conhecem as riquezas dos sítios paleontológicos e arqueológicos. Para finalizar, ajude a conservar as riquezas de São Pedro do Sul e
valorize os esforços de manutenção e pesquisa dos sítios paleontológicos e arqueológicos, porque a natureza é muito mais rica e complexa do que podemos imaginar.

Clique aqui e saiba mais sobre as madeiras petrificada

Texto científico de pesquisadores da UFRGS

SITES COM TODOS OS SÍTIOS PALEONTOLÓGICOS BRASILEIROS


ROTEIRO DE VISITAÇÃO

1. MUSEU HISTÓRICO MUNICIPAL FERNANDO FERRARI

O Museu possui um belíssimo acervo sobre a história do munícipio, mostrando os primeiros moradores, bem como a sua história política e seus principais vultos como o Deputado Fernando Ferrari.

2. MUSEU PALEONTOLÓGICO E ARQUEOLÓGICO WALTER ILHA

Fundado em 1980 por Walter Ilha. recebeu a atual denominação pela Lei Municipal nº 140-83/88 de 27/11/1987, após a morte do ilustre fundador;

Acervo e Atividades: O Museu apresenta de forma elucidativa e cronológica uma exposição permanente sobre os fósseis aniamis e vegetais, destacando-se a importância da Era Mesozóica - Período Triássico, coletados na região de São Pedro do Sul. Alguns exemplares estão expostos em museus eruopeus como o STALECKERIA POTENS, na cidade de Tubingem na Alemanha.
O Museu oferece atividades de Sensibilização para escolares e visitas guiadas a Universidades mediante adiantamento prévio pelos telefones:(55)276-2955 e 276-1085.

Funcionamento: Segunda à Sexta-Feira das 7:30 às 11:30 e das 13:30 às 17:30, domingos e feriados(Agendamento prévio).

 

Dinossauro " Dicinodonte" encontrado em São Pedro do Sul em 1929. Levado para a Universidade de "Tüebigen" na Alemanha por cientistas alemães. Clique na palavra Tuebingen e veja o site do Museu na Alemanha

" Devolvam o nosso Dinossauro"

3. SÍTIO ARQUEOLÓGICO DA PEDRA GRANDE

A Pedra Grande é considerada o maior monumento petroglífico do Estado, com consideráveis quantidade de inscrições rupestres. Está localizada junto ao importante sítio arqueológico que possui grande quantidade de material lítico (objetos feitos em pedra). O material extraído em escavações acusaram a habitação de povos pré-históricos que viveram neste sítio em três épocas distintas:

- 1025 a 925 AC (3000 anos atrás);

- 1145 a 1225 da nossa era; e

- 1245 a 1375 da nossa era.

4. SÍTIOS PALEOBOTÂNICOS DA ERMIDA E DA PISCINA

Nestes locais o visitante poderá vislumbrar as árvores petrificadas que afloram da terra em grande abundância e apreciar a beleza do local delineado pela leveza das coxílhas. 


Casa de Cultura


 

Centro de Tradições Gaúchas (CTG) "Rincão de São Pedro"


Centro de Tradições Gaúchas (CTG) "ITAQUATIÁ"


Balneário Passo do Julião "Rio Toropí" a 18 Km do centro - acesso asfaltado


Veloterra - Motocrós - março


FEMASP - Feira Industrial, Comercial, Agrícola e Artezanal de São Pedro do Sul-RS


VISITE SÃO PEDRO DO SUL - RS

 

Maiores Informações: telefone (55) 3276-1255 ramal 25 - Rua Deputado Fernando Ferrari 164 São Pedro do Sul - RS CEP 97400-000.

Email: Museu Histórico e Paleontológico