quinta-feira, 15 de maio de 2014

NOVOS ROTEIROS NO TURISMO PALEONTOLÓGICO DO RIO GRANDE DO SUL

Abdon Barretto Filho (abdon@via-rs.com.br), economista 

As pesquisas paleontológicas realizadas no Rio Grande Sul despertaram os interesses de muitas pessoas. Pesquisadores nacionais e internacionais continuam encontrando fósseis, gerando notícias nos principais veículos de comunicação em todo o mundo. Naturalmente, o tema foi despertando os interesses de várias pessoas, inclusive dos residentes em diferentes cidades do Brasil e do exterior. As visitas individuais ou em grupos começaram a ser realizadas para as cidades da Região Central Gaúcha.
Os sítios e os museus Santa Maria, São Pedro do Sul e Mata registram visitantes de várias partes do mundo. O Turismo Paleontológico é uma realidade no Rio Grande do Sul e vem sendo estudado para tornar-se um grande diferencial no Turismo Receptivo Gaúcho. Com as proximidades dos jogos da Copa 2014, surgem várias iniciativas para atraírem os milhares de visitantes que deverão estar em Porto Alegre. Os roteiros turísticos podem atender os próprios residentes no Rio Grande do Sul, assim como os visitantes interessados no tema. Santa Maria, São Pedro do Sul, Mata e Faxinal do Soturno estão elaborando ações promocionais visando os fluxos de visitantes prováveis que deverão assistir aos jogos em Porto Alegre. Além disso, algumas empresas estão entendendo a proposta e estão investindo para captar fluxos de visitantes. Na realidade, os trabalhos atuais estão evoluindo para a consolidação do Turismo Paleontológico no Rio Grande do Sul. Os destaques estão sendo apresentados através de investimentos no planejamento e na execução de novos roteiros, espaços para exposições e, principalmente, nos recursos humanos.
O mais recente projeto apresenta uma viagem visitando os atrativos naturais (sítios), atrativos culturais (museus e praças) possibilitando que os participantes possam conhecer o período geológico chamado de Triássico, entre 245 a 206 milhões de anos. Nos locais de visitas podem ser observados fósseis de vertebrados, invertebrados e plantas. Os grandes carnívoros ( Prestosuchus, São Pedro do Sul, Candelária e Dona Francisca) e herbívoros (
Stahleckeria e Dinodontosaurus, São Pedro do Sul) que antecederam os primitivos dinossauros ( Staurikosaurus, Santa Maria) e os rincossauros ( Hyperodapedon, Santa Maria). As evoluções das criaturas do Triássico também registram animais denominados de cinodontes, considerados como os precursores dos mamíferos.

Na realidade, os atrativos pré-históricas associados à beleza da paisagem, serviços qualificados nos receptivos, hospitalidade, entre outros podem atrair visitantes e, por consequência, criarem novos e bem sucedidos roteiros turísticos. Conhecer atrativos de mais de duzentos milhões de anos e um pouco da pré-história, incluindo os fascinantes caminhos dos antecessores dos dinossauros, podem ajudar na valorização e preservação do meio ambiente. São roteiros culturais, científicos com níveis internacionais nos serviços oferecidos.
Um bom exemplo é o roteiro `Conhecendo os Fósseis do Triássico criado e operado pela agência Na Trilha Ecoturismo & Aventura ( http://caminhadasnatrilha. blogspot,com.br). Outro exemplo é a série de informações disponibilizados no Blog Paleorrota (http://paleorrota.blogspot.com). Convém lembrar a famosa frase do personagem Dinotchê, o Defensor do Meio Ambiente: Turismo Paleontológico é uma espera de milhões de anos disponíveis para todos os interessados. Será ? Respeitam-se todas as opiniões contrárias. São reflexões. Podem ser úteis. Pensem nisso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário